Criador de Hotel Mario (1994) revela detalhes da produção e envolvimento da Nintendo


Certamente um dos títulos mais peculiares da história dos videogames e uma das maiores fontes de memes da última década, o combo puzzle/plataforma nascido de uma histórica, porém não tão bem sucedida sociedade entre a Philips e a Nintendo nos primórdios dos anos 90, Hotel Mario, ressurgiu na internet após uma recente entrevista com o produtor executivo do jogo, Stephen Radosh, ao site GamesReviews.

Ativo no teatro e no jornalismo, Radosh mora atualmente em Palm Springs, na Califórnia, e, como designer, pode-se dizer que ele foi um dos principais criadores do projeto. Trabalhou como vice-presidente da Philips Media Interactive, onde atuou em várias áreas — desde orçamentos até formação de equipes. Antes disso, já teve a carteira assinada pela Atari e pela Sega, colecionando passagens pela indústria dos videogames.

Eu essencialmente fui o criador [de Hotel Mario]. Escrevi os conceitos e a narrativa. Eu tinha a ideia de criar um videogame que acontecia dentro de um hotel com várias fases, algo que eu havia pensado há muitos meses; então, decidi incorporar essa ideia em Hotel Mario. Eu tive orgulho disso, e a equipe também.

Para dar vida ao jogo, a equipe de Stephen trabalhou diligentemente para garantir sua qualidade — o que muitas vezes era sinônimo de horas extras no escritório durante as noites. Muitos engenheiros da Philips estavam envolvidos e, portanto, todos os prazos eram respeitados; porém, a escassez de animadores exigia que buscassem profissionais terceirizados para o trabalho. E até neste caso, segundo o produtor, o retorno foi muito positivo: animadores muito talentosos, como Kathleen Swain, que já havia trabalhado na Walt Disney Studios, passaram a integrar a equipe de desenvolvimento.

Como já é de conhecimento popular entre os memeiros de plantão, as intermissões cinemáticas de Hotel Mario eram dubladas — mas não por Charles Martinet, que ainda não havia sido consolidado como a voz principal dos personagens, e sim, por outro conterrâneo da Califórnia, o maleável Marc Graue, que, num período total de duas horas de trabalho, presenteou Mario, LuigiBowser e a todos os fãs com os saudosos bordões do jogo. Em suma, ele foi o responsável pelos icônicos diálogos "I hope she made lotsa' spaghetti!""dear pesky plumbers" e "all toasters toast toast!". Além de Graue, Jocelyn Benford foi indicada por colegas da produção para assumir a voz original da princesa Peach.

Stephen revelou que, a princípio, Mario não poderia pular no jogo de Philips CD-i por esta não ser uma característica muito essencial para a gameplay. Mas mudaram de ideia assim que Hollie S. Lohff, filha de um dos desenvolvedores, experimentou uma versão prematura do jogo e expressou a estranheza de se jogar um game do encanador bigodudo no qual ele não pode dar seus tradicionais pulos. Por tal motivo, Hollie foi adicionada aos créditos do jogo como "Play Consultant", ou "consultora do jogo".

Produzido nos Estados Unidos com a bênção da Nintendo, Hotel Mario foi supervisionado de longe pelos japoneses:

Eu tive que obter aprovação da Nintendo para muitas das coisas que fizemos. Eles queriam ter certeza de que o mundo que criamos parecia pertencer à franquia, já que qualquer coisa retratada em Hotel Mario seria um reflexo deles. Um gerente da Nintendo chamado Cammy [Budd] era o nosso principal contato. Até onde eu saiba, eles ficaram satisfeitos. Inclusive, havia rumores de que a Nintendo queria trazer o Hotel Mario para as suas plataformas.

Apesar do que pode parecer, na época em que foi lançado, Hotel Mario recebeu algumas críticas relativamente positivas. A equipe de Stephen nunca chegou a conhecer a opinião sincera da Nintendo sobre o jogo após seu lançamento — segundo ele, publicamente, eles reagiram de forma muito neutra. Apesar disso, o projeto foi motivo de orgulho para toda a equipe da Philips, que o concluiu com uma certa superação, devido a todos os obstáculos tecnológicos do CD-i, e o sentimento de dever cumprido.

O CD-i não vendeu muito bem no geral, mas Hotel Mario, em si, foi um sucesso financeiro. Foi um sucesso de crítica, também. Electronic Gaming Monthly, GamePro e Joystick elogiaram os visuais. Obviamente, os gráficos melhoraram desde então, mas se comparar Hotel Mario com outros videogames da época, será possível compreender a importância disso.

Em Hotel Mario, os irmãos partem numa jornada para resgatar a princesa Toadstool em um dos sete hotéis de Bowser e seus Koopalings. O jogo teve um lançamento tímido na América do Norte em junho de 1994, e foi parcialmente prejudicado por uma geral falta de interesse dos consumidores pelo sistema multimídia Philips CD-i.

Hoje em dia, suas animações e dublagem são consideradas como um fenômeno cult — e o próprio ator de voz Marc Graue é conhecido por encorajar e participar do fandom de Hotel Mario através de paródias e divertidas reprises de seus papéis.

Continue ligado no Reino do Cogumelo!

Obrigado, NintendoFan, pelo informe!
Eduardo Jardim

Natural de São Paulo (SP), Eduardo "Pengor" Jardim é um criador de conteúdo, cartunista e imaginauta. Criou o Reino do Cogumelo em 2007 e desde então administra e atualiza seu conteúdo, conquistando um prêmio Top Blog e passagens pela extinta Nintendo World.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem