Super Smash Bros. já não é mais apenas sobre estrelas da Nintendo, diz Masahiro Sakurai

terça-feira, 18 de dezembro de 2018



Desde Super Smash Bros. Brawl para o Wii em 2008, nós temos a presença de personagens convidados na série de pancadaria da Nintendo. Personagens icônicos e tão grandes na indústria de vídeo games, quanto as propriedades intelectuais da Big N, que agregam muita história, seja com músicas, detalhes através de seus designs e movesets, arenas e tudo que vem incluído no pacote.

Apesar disso ser ainda uma circunstância muito especial, o elenco de convidados em Smash vem crescendo game após game, e hoje já temos uma espetacular linha de 11 lutadores de outras companhias: Snake, Simon e Richter da Konami, Sonic, Bayonetta e Joker da SEGA, Mega Man, Ryu e Ken da Capcom, Pac-Man da NAMCO Bandai e Cloud da Square-Enix. Sem mencionar conteúdo que outras séries trazem via troféus, Spirits e Assists, como Rayman e os Rabbids (da Ubisoft) e os ícones Indie como CommanderVideo, Shovel Knight e Shantae.

A proporção num elenco de 70 personagens selecionáveis ainda é muito pequena, mas sempre questionamos se mais convidados podem ser revelados, principalmente após o anúncio de Joker no The Game Awards 2018.

Para botar alguma lenha na fogueira, Masahiro Sakurai diz em sua coluna semanal na Famitsu, que Smash Bros. já transcendeu a definição de ser um jogo concentrado em estrelas da Nintendo, e hoje é conhecido por seu gameplay único.

Definitivamente personagens convidados sempre chamam atenção e muito marketing positivo é gerado graças a presença de lutadores como Sonic ou Mega Man. Mas o que o futuro nos reserva ainda é um grande interrogação e cabe apenas aos fãs especular e torcer para que seus favoritos estejam entre os 5 DLCs que irão lançar ao longo de 2019 e início de 2020.

Quais são as suas expectativas para Ultimate, caro leitor? Acha que mais personagens convidados irão aparecer? Diz pra gente na seção de comentários abaixo.

    • Comentários

  • Facebook ()
  • Google (1)

1 comentários:

Eduardo Silveira disse...

Que bom que não é apenas Nintendo. A série ficou melhor ainda assim!

Postar um comentário