7 vezes em que Luigi salvou a vida do Mario


Apesar de serem gêmeos, Luigi ainda é a metade mais injustiçada dos irmãos Mario. O deuteragonista da franquia tem vivido à sombra de seu irmão desde sempre, e por isso, acabou desenvolvendo uma personalidade que contrasta, ao mesmo tempo, um senso de covardia com um ímpeto de fazer a coisa certa.

Isso acontece porque o Luigi nasceu como uma resposta de Shigeru Miyamoto à jogabilidade multiplayer competitiva e cooperativa do arcade Joust, um estilo de jogo o qual o desenvolvedor tinha intenção de incorporar em seu célebre projeto de 1983 Mario Bros.

Mas o irmão Mario de roupas verdejantes teve uma ascensão espetacular já nos anos posteriores, e foi se transformando de um mero Player 2 com uma paleta de cores distinta para um verdadeiro herói de personalidade marcante, que coleciona vários feitos na história — atos estes que não vamos deixar cair no verde! A seguir, acompanhe com o Reino do Cogumelo os momentos em que o jogo virou e a vida do Mario ficou nas mãos de seu irmão Luigi. Number one!

O retrato de Mario Mario
A começar pelo exemplo mais conhecido: surgida na era GameCube com sucessores para 3DS e Switch, a série Luigi's Mansion não somente é uma forte responsável por destacar o caráter do Luigi entre os colegas do Reino Cogumelo, como também inverte a situação e o coloca como o protagonista em uma trama repleta de assombrações e mistérios fantasmagóricos.

Em um roteiro recorrente, Mario é preso num quadro pelo espantoso rei Bu, onde permanece desesperançosamente imóvel — um retrato do qual só era possível sair graças aos esforços frequentes de seu irmão, em atos impulsivos de coragem que, apesar de pequenos, provam, no fim, fazer toda a diferença.

Amor e ódio
Os desenhos animados da extinta DiC Entertainment exibidos na TV durante a transição dos anos 80 e 90 eram uma excelente interpretação dos personagens Nintendo. Foi durante essas produções que o Luigi consolidou-se como um personagem medroso e brincalhão — mas também como alguém que, quando necessário, mantém-se firme em seus próprios princípios.

Prova disso é o episódio "Brigas de Irmãos" (dublagem Herbert Richers, TV), ou "Ah, Irmão!" (dublagem Uniarthe, DVD), de The Adventures of Super Mario Bros. 3. Aqui, nosso querido dueto de parceiros de hidráulica engaja em aleatórias, mas acaloradas discussões um contra o outro que, dizem, reproduz com precisão o cotidiano de dois irmãos briguentos da vida real. Acontece que, ao se separar do Luigi, Mario se torna vítima do Cérebro Obediente, invenção do pequeno gênio do mal Kooky von Koopa — mas é salvo da lavagem cerebral graças às memórias afetivas que compartilhava com Luigi, que chega a tempo de salvar o dia e dar um fim nos planos do rabudo nojento.

Fora dos trilhos
Em uma inesquecível visita à cidade fantasma Cogumelo Solitário, os irmãos Mario, sempre muito bem acompanhados da princesa Toadstool e seu fiel escudeiro, Toad, descobrem que os habitantes estão sendo forçados pelo terrível rei Koopa a explorar moedas de ouro em uma mina local. A situação culmina no sequestro da princesa e em uma corrida alucinada sobre trilhos de vagonetas de transporte de carga.

A certo ponto durante a perseguição, que acontece durante o episódio animado "A Corrida do Ouro" de The Super Mario Bros. Super Show!, o encanador extraordinário em sua forma de fogo acaba se desequilibrando e por pouco não sofre um acidente para fora da vagoneta em movimento — mas é salvo por reflexo do sempre cuidadoso Luigi. Como profundos apreciadores do saudoso Donkey Kong Country para SNES, sabemos muito bem o quanto um pequeno deslize sobre os trilhos de uma caverna pode ser fatal!

Bang-Bang Americano!
David Ehrman e Sean Roche, roteiristas do episódio "Reciclagem de Koopa" de The Adventures of Super Mario Bros. 3, deram vida a uma outra situação bem marcante na qual não somente o Mario, mas todos os cidadãos do Brooklyn dependeram exclusivamente do Luigi.

Afinal, como inesperada consequência do despejo desenfreado do lixo da família Koopa no mundo real, Mario transforma-se num tipo de zumbi reptiliano, a mesma sina de dezenas de outros moradores do burgo nova-iorquino — incluindo o prefeito da cidade. Isso faz com que Luigi seja o único capaz de pilotar o Aspirador de Lixo, um veículo de reciclagem instantânea improvisado pelos habilidosos bombeiros antes do Mario se transformar em um servo de Koopa e seus cruéis filhotes. Com perseverança, Luigi limpa as ruas da cidade e faz com que todos voltem ao normal em um ato terminantemente marcado na história, tão grande que nem mesmo a Estátua da Liberdade escapou de se impressionar.

Febre do momento
Durante sua estadia além das fronteiras do não tão distante Beanbean Kingdom, Mario é acometido por uma condição endêmica muito grave chamada Bean Fever, contraída pelo consumo de um enganoso fungo local conhecido como Invicishroom. A "febre do feijão" é muito mais literal do que parece: em determinado tempo, ela simplesmente transforma o enfermo num grande e opulento grão de feijão-de-corda.

A cura para tal doença só pode ser obtida por meio de uma planta medicinal encontrada nos confins das ruínas de Guffawha, onde o perigo jamais descansa. E enquanto Mario permanecia acamado, seu obstinado fratello Luigi partia em uma árdua aventura da qual retornou, pouco tempo depois, em posse do ingrediente necessário para eliminar os efeitos da febre fatal de seu irmão antes que ele se tornasse ingrediente de acarajé.

A série de RPG Mario & Luigi é muito conhecida por explorar a dinâmica de dependência mútua entre os irmãos, e outras situações como esta podem ser comumente encontradas ao longo da saudosa franquia da AlphaDream.

Resgate abaixo de zero
Um dos jogos mais infames de que se tem registro — conquistando até mesmo uma posição especial na lista clássica de 15 piores jogos do Mario produzida pelo NintendoFan —, Mario is Missing! coloca o Luigi como protagonista de uma peculiar aventura que o tempo fez questão de esquecer. Em um de seus momentos menos lúcidos, Bowser decide inundar o planeta Terra usando secadores de cabelo da fabricante Hafta-Havit Mail Order para derreter a Antártida; e para ter os recursos necessários para comprá-los, envia seus asseclas para afanar marcos históricos do mundo real que planeja vender.

Já na primeira excursão para a base polar do rei dos Koopas, apesar de acompanhado por Luigi e sua fiel montaria, Yoshi, Mario acaba sendo sequestrado pelas tropas do mal. Os motivos para tanto variam entre as versões de NES, SNES e PC (MS-DOS e Mac), mas as três narrações têm um final em comum: o encanador entrando numa fria.

Com isso, Luigi se vê responsável por devolver os artefatos roubados e salvar a pele do seu irmão. Mas se todos nós concordarmos em considerar Mario is Missing! como um surto coletivo, este item perderá sua força.

Eu devia jogar nos Yankees!
Falando em surto coletivo, por mais que a história tente apagá-la, não há como esquecer da interpretação hollywoodiana dos encanadores extraordinários do Brooklyn produzida pela Lightmotive em 1993 e inolvidavelmente estrelada por nomes de peso como Bob Hoskins (Uma Cilada para Roger Rabbit) e Dennis Hopper (Sem Destino). Apesar de ser matematicamente um fracasso financeiro e ter colecionado uma quantidade desproporcional de críticas negativas, hoje, Super Mario Bros. tem um posto especial entre os filmes cult, além de ter adicionado representatividade latina à sua visão da franquia, mostrando os irmãos Mario como uma unidade familiar moderna composta pelo colombiano John Leguizamo (Encanto).

Na trama, apesar de algumas alfinetadas, os irmãos Mario e Luigi estão sempre cuidando um do outro, uma característica que se manifesta até mesmo durante suas peripécias pela distópica Dinohattan. E apesar do Mario ser muito mais metódico que seu jovem e instintivo irmão, a certo ponto, sucedendo a famigerada cena do "eu não vou pular!"Luigi, com a ajuda do fungo vivo, o impede de cair nas profundezas da torre do Koopa — um imenso arranha-céus que o ditador usa como quartel-general. Dadas as limitações humanas dos heróis do cinema, não fosse pela destreza do Luigi, o desfecho da história teria sido muito trágico para o bombeiro hidráulico.

Esta cena não somente foi crucial para a continuidade do personagem de Hoskins, como também teria marcado a conclusão de uma discussão acirrada que Mario e Luigi costumavam ter sobre valores familiares. Mas essa subtrama, que se desenvolveria em pontos isolados do filme — como, por exemplo, na cena da cadeia —, foi eventualmente descartada da produção final.

Obrigado por visitar o Reino do Cogumelo! Compartilhe este artigo com seus amigos e visite a nossa tag de curiosidades se quiser saber mais sobre o universo do encanador bigodudo mais famoso dos games. Força da massa!
Eduardo Jardim

Natural de São Paulo (SP), Eduardo "Pengor" Jardim é um criador de conteúdo, cartunista e imaginauta. Criou o Reino do Cogumelo em 2007 e desde então administra e atualiza seu conteúdo, conquistando dois prêmios Top Blog e passagens pela saudosa Nintendo World.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem