O dia em que Mario lutou no torneio Street Fighter

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021


Hoje, dia 12 de fevereiro, é o aniversário do maior brasileiro de todos os tempos: Blanka, de Street Fighter. A informação vem dos perfis dos personagens que aparecem no modo espera de Street Fighter II: The World Warrior.

Com isso em mente, será que estes personagens icônicos da Capcom já entraram em rota de colisão com Mario e sua turma? Enquanto é possível lutar contra Ryu e Ken Masters em Super Smash Bros. Ultimate (Switch), já teriam estas franquias se encontrado no passado? E o mais importante: o encanador extraordinário já ficou cara a cara com Blanka, a fera tupiniquim?

A resposta é simples, mas confusa: sim, e não! Em novembro de 1992, a revista alemã Club Nintendo publicara uma história em quadrinhos de apenas quatro páginas intitulada Super Mario Klemp-Won-Do: Muskeln sind nicht alles! — algo como "Super Mario Encan-Won-Do: Músculos não são tudo!". Na narrativa, Mario mostra interesse no torneio Street Fighter ao se deparar com um cartaz local, e acaba se encontrando com os personagens E. Honda, Dhalsim, Chun-Li, Blanka e Ken — apesar deste último não ter participado do campeonato.

Numa época anterior às bravias demonstrações de artes marciais dos irmãos Mario nas arenas de Super Smash Bros., Mario optava por encontrar formas muito mais engenhosas de obter sua vitória.

Contra Zangief, correu em círculos ao seu redor até que, atordoado, o grandalhão russo foi a nocaute, permitindo que Mario avançasse para o próximo desafio: Chun-Li. Usando o golpe das cem pernas despedaçantes que lhe é marca registrada, conhecido como Hyakuretsukyaku, Chun-Li tentava acertar o encanador, que acabou, por fim, encontrando na abertura uma fraqueza na artista marcial: cócegas.

Em seguida, Mario derrota Blanka, seu terceiro adversário, espalhando pelo campo de batalha bananas que lhe foram convenientemente entregues pelo seu amigo Toad segundos antes da partida, fazendo com que ele escorregasse para fora do ringue.

Até aqui, clichês clássicos de desenhos animados ajudavam o herói da Nintendo, mas a luta contra seu último oponente, Dhalsim, exigiu um certo nível de contato corpo-a-corpo: depois de desviar das rajadas de Yoga Fire desferidas pelo esotérico indiano, Mario fez com que ele esfriasse a cabeça com um balde d'água. Em seguida, desviou de um dos chutes elásticos de Dhalsim, agarrando sua perna e a enrolando sobre seu corpo, dando um nó humano no lutador.

E foi assim, na conclusão de uma história curta, saudosa e muito mais divertida do que estão acostumados os participantes do torneio Street Fighter, que Mario levou para casa o troféu mais "roubado" de sua vida!

    • Comentários

  • Facebook ()
  • Google (0)

0 comentários:

Postar um comentário