quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Estrutura online do Nintendo Switch será algo essencial para os negócios da Nintendo, segundo Kimishima

A notícia de que a Nintendo vai cobrar pelos serviços online do console Nintendo Switch a partir de 2018 é algo que ainda divide opiniões de fãs e consumidores no geral. Se por um lado há quem defenda a continuidade dos serviços gratuitos, há aqueles que acatam a decisão da companhia mas acharam "barato demais" o preço médio da assinatura anual (entre U$17,50 e U$26,50) revelado recentemente pelo presidente da Nintendo, Tatsumi Kimishima.

O executivo voltou a tocar neste assunto em entrevista concedida à revista TIME, e trouxe na verdade declarações animadoras para os dois grupos de pessoas mencionados no parágrafo acima, destacando que a Nintendo vai oferecer serviços e conteúdo online pelos quais vale a pena pagar, e que sendo esta uma área essencial para os negócios da companhia decidiu-se estabelecer uma faixa de preço que deixará consumidores felizes.

Penso que se você olhar para alguns de nossos competidores, você acha que quando eu digo 2.000 a 3.000 ienes por ano é algo um pouco abaixo do padrão ou barato. Mas realmente estamos dedicados a trazer nossos negócios online para consumidores a esta faixa de preço. Partidas online no Switch serão essenciais para os negócios, e tivemos muitas discussões internas na Nintendo para chegar ao que pensamos ser um preço razoável para nossa conexão com os consumidores.

Nós realmente acreditamos que, independente do que outros estão fazendo ou que serviços estão sendo oferecidos, no final é uma batalha de conteúdo. Sentimos que é uma questão de trazer nossos serviços ao consumidor a uma faixa de preço que os fará felizes, e então estamos dispostos a ver o que podemos fazer daí por diante. Este é apenas o ponto inicial para nós, então mais uma vez, é uma batalha de conteúdo. Achamos que temos o que é preciso para vencer a batalha nesta frente, e esperamos prover mais detalhes sobre o serviço mais tarde.

Via TIME
    • Comentários

  • Facebook ()
  • Google (0)

0 comentários:

Postar um comentário