Produtor da Renegade Kid diz que está preocupado com o possível avanço da pirataria no 3DS

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Em seu blog, Jools Watsham, o co-fundador da desenvolvedora independente Renegade Kid, responsável por um dos jogos de maior sucesso da eShop do 3DS, Mutant Mudds, se diz preocupado com a possível proliferação da pirataria no 3DS. Jools Watsham resolveu se manifestar a respeito deste assunto depois que um grupo de hackers quebrou parte da segurança do hardware do 3DS através de um determinado jogo, e conseguiu rodar alguns códigos aleatórios no sistema; é um avanço perigoso que pode ou não deixar o portátil exposto à pirataria. Na mensagem postada em seu blog pessoal, Watsham diz que essa conversa de que a pirataria pode ajudar os usuários a se decidir se compram ou não um jogo é fantasiosa, e de certa forma culpa esta forma ilegal de jogar pelas fracas vendas que a Renegade Kid obteve no DS, citando os jogos de terror da série Dementium, que foram feitos pela desenvolvedora.

Pirataria no DS arruinou o mercado de varejo, especialmente na Europa. Nós nunca saberemos como e se Dementium II chegou às mãos de tantas pessoas como aconteceu com o primeiro jogo, Dementium: The Ward, por causa da proliferação da pirataria na época. Dementium: The Ward vendeu mais de 100.000 cópias no mundo todo, que é um grande sucesso para um jogo original de classificação Mature no DS. As vendas registradas de Dementium II são menos do que a metade disto. Nunca vamos saber porque isso ocorreu, mas muitos acreditam que a pitaria tem uma grande parcela de culpa.

Watsham vai além, e diz que caso os hackers obtenham sucesso em expor o portátil 3DS à pirataria de jogos, sua desenvolvedora não terá outra opção a não ser parar de produzir jogos para o console. Ele diz que a porcentagem de pessoas que compram um jogo que já conseguiram jogar de graça é muito pequena, e que está ficando cada vez mais difícil definir o que deve ou não deve ser gratuito no mercado de games. Mas há uma esperança para deter o avanço dos hackers no sentido de impedir que a pirataria contamine-o como fez com o DS, segundo o desenvolvedor da Renegade Kid.

A boa notícia é que a Nintendo pode lutar contra os piratas no 3DS usando atualizações de sistemas e coisas assim. Vamos esperar que isso seja suficiente para deter a pirataria. O tempo vai dizer.

Os hackers alegam que sua única intenção é permitir o uso de games de outras regiões no 3DS, já que o portátil possui trava de região, e também abrir o sistema para receber homebrews, que são programas e jogos caseiros. No entanto, é claro que muitos jogadores podem se aproveitar do desbloqueio do portátil para conseguir jogar de graça games que são vendidos no varejo - como aconteceu com o DS - , o que prejudica a indústria de games como um todo. O que você pensa a respeito, leitor(a)? Comente.

    • Comentários

  • Facebook ()
  • Google (1)

1 comentários:

SASUKE disse...

independente vo compra original tendo desblok ou nao oq incentivou eu usa flash card no meu DS foi jogos q nao vem para o ocidente como inazuma eleven dragon ball kai entre outros no dia q a nintendo para com trava de regiao e portar tds seus titulos para o ocidente acho q a pirataria cai em 30% no min

Postar um comentário