Top 5: Os romances mais absurdos da série Mario

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Pode não parecer à primeira vista, mas a história de Mario como a conhecemos hoje em dia foi alicerçada em romance — em 1981, as raízes de um garboso relacionamento entre Jumpman e Lady, ou Mario e Pauline, o carpinteiro e a donzela em perigo, tornaram-se a motivação inicial e o principal propulsor narrativo daquilo que viria a ser uma das maiores franquias de entretenimento interativo da história. Ao longo de anos de desenvolvimento dos personagens deste grande sistema de encanamentos da ficção, vários de seus relacionamentos vêm à tona de forma oficial — tais quais Diddy e Dixie Kong — enquanto outros, como o de Mario e Peach, são apenas timidamente implícitos. Não obstante, nem todas as conexões românticas que pipocam por aí possuem o garbo e a química que Mario e Pauline já tiveram na época das construções. A seguir, uma lista com os piores relacionamentos sugeridos na série Mario.

5. Mario e Daisy

Super Mario Land, o único game de plataforma em que a Princesa Daisy apareceu — tal qual a sua estreia no mundo dos jogos eletrônicos — foi lançado em meados de 1989 como o título de lançamento do portátil Game Boy, quatro anos após a estreia de Peach e oito anos depois de Pauline. Nas mãos de Gunpei Yokoi, conseguiu, ainda, despertar o interesse do herói ítalo-americano quando viu-se salva após a culminante vitória do encanador sobre as forças invasoras de Tatanga sobre Sarasaland. Hoje, Daisy e Mario são considerados como bons amigos que dividem uma química medíocre em Mario Superstar Baseball e Mario Super Sluggers, mas não é nisso que alguns fãs acreditam... Oh! Daisy!

4. Wario e Mona

Acredite ou não, um enlace romântico entre o proveitoso, truculento e vítima de fortes distúrbios gastro-intestinais Wario e sua adorável, abrasadora funcionária ruiva multi-tarefas, Mona, já foi oficializado pela Nintendo numa das informações de perfil de WarioWare, Inc.: Mega Party Game$!. Apesar de ser uma clara válvula de escape poética para pregar que os opostos que se atraem, desacreditamos do fato de que Wario, alguém que conquistou tudo o que tem através de uma carreira única de roubos e extorsões, mereça alguém tão batalhador quanto Mona — que rivaliza o próprio Mario quanto ao número de ocupações exercidas. A vilânica Captain Syrup, no entanto, parece ter nascido para o grandalhão.

3. Yoshi e Birdo

Se há algo mais controverso que a própria Birdo, talvez seja o envolvimento do pobre e inocente Yoshi em toda a polêmica. Apesar de serem obviamente de espécies distintas, Birdo e Yoshi dividem um ótimo relacionamento e têm sido unidos como parceiros em uma série de esportes e games do estilo party. O grande problema é que o gênero de Yoshi jamais fora considerado, e o de Birdo, bem, está envolto numa série de controvérsias. No Japão, ainda é considerada como um macho com forte inclinação a traços e personificações femininas; na América, é genuinamente uma fêmea de sua espécie. O website oficial de Mario Kart: Double Dash!! ainda constata que Birdo é a namorada do Yoshi principal da série, mas deixam ambíguo o fato de que pode se tratar de um namorado. Mas o gênero não é o problema, e sim, as gritantes diferenças entre os dois parceirinhos jurássicos. Afinal, se a boca de Birdo é uma cloaca... como funciona o resto?! É uma cilada, Yoshi!

2. Pauline e Donkey Kong

Criada em 1981, a primeira donzela em apuros da história dos video games foi vítima da fúria cega de um gorila atroz e e desenfreado — hoje, conhecido como o rabugento Cranky Kong. Algumas gerações depois, Pauline retorna à série Mario em Mario vs. Donkey Kong 2: March of the Minis, onde volta a ter encontros agitados com a família Kong; desta vez, porém, com o neto de seu sequestrador original. Ao contrário do clássico King Kong, que inspirou alguns elementos do Donkey Kong original, Pauline não quer saber de encontrar um vestígio de raciocínio lógico em seu raptor furioso e deseja apenas que ele a deixe em paz nos negócios com o ex-carpinteiro — deixando um DK desiludido com as chances de um namoro entre espécies primatas distintas. Será que a Candy Kong sabe disso?

1. Bowser e Peach

Bowser tem sequestrado a Princesa Peach literalmente desde o início dos tempos, numa história que remonta o ano de 1985. A benévola alteza dos cogumelos quase sempre encarna o papel de donzela em perigo e, contra sua vontade, é arrastada para os calabouços do maquiavélico rei de todos os Koopas. Em algumas ocasiões, Bowser mostra um interesse único no fértil, vasto território do Reino do Cogumelo, o que inspira suas conquistas. Porém, em alguns jogos de RPG, tal qual formas alternativas de mídia (como nas animações da Amada Anime Series: Super Mario Bros. e no longa-metragem Super Mario Bros.: Peach-hime Kyushutsu Dai Sakusen!), Bowser demonstra um forte interesse amoroso na Princesa Toadstool e tenta alcançá-la de uma forma emocional. É mesmo necessário descrever todas as complicações de um relacionamento como este? Digamos que esta bestialidade no estilo A Bela e a Fera não passa de uma perturbadora anomalia. É duro ser o único adulto de sua espécie, hein, Bowser?

Menção Honrosa: Waluigi e Daisy
Quer você creia ou não, esta conexão amorosa foi oficialmente implícita pela Nintendo: Waluigi e Daisy. Por ora, quase nada se sabe sobre o delgado parceiro de Wario, mas o guia de instruções de Mario Party 4 não nos deixa mentir: Waluigi possui uma queda pela Daisy. Até aí, tudo bem. Difícil mesmo seria conseguir arrancar a princesa de Sarasaland das enluvadas mãos do eterno incompreendido, Luigi. ...Ou seria do Mario? Mamma mia...
    • Comentários

  • Facebook ()
  • Google (0)

0 comentários:

Postar um comentário